Caro amigo,

 

Por que a mudança é tão difícil? Por que é tão difícil sair da nossa zona de conforto?

Estou prestes a uma mudança drástica na minha vida. Estou largando um bom emprego na minha área de atuação para embarcar em uma viagem em busca daquilo que eu verdadeiramente amo fazer.

Aqueles que leram o primeiro post já sabem que sou formado em Engenharia de Produção. Durante a graduação, nunca morri de amor por nenhuma das disciplinas da grade curricular, gostava um pouco mais de algumas e outras um pouco menos, mas nada que me fizesse trocar um final de semana livre pelos estudos, e quando falo estudos quero dizer estudar pelo simples fato de querer aprender mais sobre aquele assunto e não por obrigação, como estudar para uma prova ou para realizar um artigo acadêmico. Isto nunca fez muito sentido para mim, afinal não deveria ser justamente o contrário?

Mas aí percebemos que grande parte dos colegas de curso levam a graduação da mesma maneira e achamos que é assim mesmo que deve ser, ou talvez seja apenas falta de maturidade, coisa de jovem que ainda não sabe o que quer da vida. E resignamos. E aceitamos.

Estagiei durante dois meses em uma indústria aplicando conceitos de eficiência de produção. Não contente, recebi um convite para trabalhar na área comercial de outra empresa, o qual prontamente aceitei. Por algum tempo acreditei que havia me encontrado profissionalmente mas, cá estou eu, menos de 3 anos depois, prestes a recomeçar e desta vez em uma área totalmente nova. E em um país novo (New Zealand here I come).

 

 

Refletindo sobre isso, resumi 5 coisas que eu gostaria de ter sabido há 10 anos e que eu não posso me esquecer pelos próximos 20.

 

1.Você não precisa saber tudo da vida aos 18 anos de idade. Nem aos 28.

Hoje, quando olho para o passado, me pergunto por que não dei ouvidos a mim mesmo. Sabe, eu acho que lá no fundo eu sabia desde o início que não era a Engenharia de Produção que me movia. Para ser sincero, aos 18 anos eu ainda não tinha certeza do que eu queria fazer da vida. Mesmo a fotografia não era uma certeza pois, como a grande maioria, a minha primeira incursão no mundo dos clicks foi um eventos social, o que acabou me afastando da fotografia por alguns anos.

Se eu pudesse dar um conselho ao Leandro de 10 anos atrás seria: você é jovem, conhece pouco da vida, se não está 100% decidido de qual profissão seguir, não tome esta decisão agora. Viaje para outro país, trabalhe em diferentes lugares, conheça pessoas novas, deixe que a vida vai lhe mostrar aquilo que você naturalmente escolherá para fazer pelo resto da sua vida.

 

2. Arrependimento VS Reconhecer os Erros

Francamente nunca gostei de arrependimentos pois acredito que são mais justificativas pelos objetivos não alcançados do que real vontade de fazer algo para consertar o erro. Quando penso em arrependimento a cena que automaticamente me vem a cabeça é alguém dizendo: “me arrependo de não ter feito isso antes, mas agora já é tarde demais para fazer algo a respeito”.

Coisa bem diferente, no entanto, é reconhecer os erros. Reconhecer os erros automaticamente o incitará a corriji-los. Quando tenho consciência que cometi um erro sou compelido a repará-lo, pois o erro me incomoda. Ninguém gosta de estar errado. Reconhecer o erro é sempre o primeiro passo para mudança.

Portanto, não tenha arrependimentos e não tenha medo de errar. Encare os erros como sinais que mostram que você não está no caminho correto e então mude de direção.

Santo Antônio de Lisboa

 

3. Use mais a Internet, ela nos mostra que as barreiras que imaginamos não são mais que pequenas cercas. Cercas com porteiras. E sem trinco. Mas use-a sabiamente

Vivemos uma época de muitas mudanças. Toda e qualquer informação pode ser compartilhada e acessada a qualquer instante. Mesmo isolado, longe da cidade, basta uma barrinha de sinal no celular e as notificações de novas mensagens, notícias, novos vídeos, posts, etc., inundam as telas dos nossos celulares: um casal que viaja o mundo de van, uma mulher que viaja pela América de bicicleta, um portador de síndrome de Down que gerencia um restaurante… Casos de superação que, sem pudor algum, esfregam na nossa cara que a única coisa que nos separa de nossos objetivos somos nós mesmos.

Use toda a informação da Internet a seu favor. É um grande privilégio que dispomos desta incrível ferramenta. Mas lembre-se, use de maneira sábia e aprenda a diferenciar informação útil da inútil.

 

4. A vida é muito curta para ser pequena

Uma das minhas frases preferidas é de Benjamin Disraeli: “A vida é muita curta para ser pequena.”

Vivemos por muito pouco tempo para nos permitirmos ter uma vida pequena, para gastá-la fazendo algo que não nos traga um propósito, que não nos traga satisfação. Permita-se viver, descubra uma paixão, ou mais de uma, e não tenha preguiça, dedique-se com vontade a seus novos projetos.

 

5. O esforço supera o talento

No livro Garra – O Poder da Paixão e Perseverança, da escritora americana Angela Duckworth, ela fundamenta, através de anos de pesquisa e coleta de dados, que no final a garra é mais determinante para atingir o sucesso do que o talento, embora tenhamos a tendência de supervalorizar o talento em detrimento do esforço. Portanto, aprenda a ser disciplinado e mantenha o foco em atingir o seu objetivo. Não desista tão fácil. Quando vemos aquelas pessoas as quais nos inspiramos, por serem referência em uma área de nosso interesse, dificilmente sabemos o quanto treino e dedicação ela despendeu para chegar ate lá. Pode ter certeza que foi bastante. Pratique, pratique, e pratique mais ainda.

Honestamente, confesso que sou uma pessoa por vezes preguiçosa. No primeiro parágrafo há 2 perguntas. A que mais me incomoda certamente é “Por que é tão difícil sair da nossa zona de conforto?” E ela me incomoda justamente por ser a que mais me descreve, pois eu sei que o que me impede de ir lá e fazer é sair da minha zona de conforto. E isso não é fácil. Criar este blog não foi fácil. Fotografar pessoas desconhecidas não foi fácil. Largar um emprego não foi fácil. Mas mais difícil ainda será continuar a escrever regularmente neste blog; e continuar fotografando pessoas desconhecidas. O primeiro passo é sempre difícil, mas eu acredito que os 9 passos depois do primeiro é onde 90% das pessoas desistem. Portanto, um lembrete para mim mesmo, PERSISTA!

Dead Sea - Jordan