Talvez você ainda não tenha ouvido falar da cidade de Goiás. Antiga capital do estado, Goiás é uma cidade histórica e tem sua área central tombada como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela UNESCO. Este é um daqueles lugares que quando você conhece você se pergunta como pode ser ainda tão pouco conhecido. Mas então vamos lá, conhecer um pouco mais sobre este lugar que reserva inúmeras surpresas para quem a visita.

Centro Histórico de Goiás – GO

Cheguei em Goiás na segunda-feira a tarde. Desta vez optei por hospedar-me através do AirBnB. Aluguei um quarto com banheiro nos fundos de uma casa, muito bem localizado e com ótima privacidade, o valor para 7 dias ficou em R$340,00 (valor para abril/19). Caso você não conheça, o AirBnB é uma plataforma que permite as pessoas alugar um quarto, ou até mesmo a casa inteira. Paga-se por diária, assim como seria em um Hotel, a diferença é que os preços são geralmente muito mais baixos e geralmente ocorre uma interação legal com o dono da casa, permitindo assim conhecer mais da cultura local. Ficou interessado? Confira lá as opções, você vai gostar. E mais uma dica, utilize este cupom e ganhe desconto na primeira utilização do site.

Deixei a mochila no quarto, peguei a câmera e as lentes e saí caminhar pelo Centro Histórico. A primeira impressão já foi positiva, o Centro Histórico é maior do que eu imaginava e as ruas com seus casarios antigos, cortados pelo Rio Vermelho, formam um belo cenário. As primeiras celebrações da Semana Santa aconteciam na quarta-feira, e a partir deste dia teriam eventos todos os dias, então optei por utilizar a terça-feira livre para conhecer algumas igrejas e museus da cidade.

Janela do quarto de Cora Coralina, visto da rua – Goiás / GO

O primeiro lugar visitado foi o Museu de Cora Coralina, que fica à beira do Rio Vermelho em um casarão estilo colonial que era a própria casa da poetisa em vida. Paga-se R$10,00 para entrar e a visita é toda guiada. O museu é muito interessante e o interior muito bem conservado, com itens originais da casa que foram utilizados por Cora Coralina. É impossível não sentir a presença da poetisa em cada canto da casa e imaginá-la fazendo seus famosos doces nos tachos de cobre sobre o fogão a lenha, ou sentada na sua velha cadeira na sala de estar onde costumava receber seus convidados. Infelizmente não é permitido fotografar o interior da casa.

Trechos de poesias de Cora decoram o jardim
Bica de água, conduzida da vertente no alto da montanha diretamente à casa de Cora

O próximo museu a ser visitado foi o Museu de Arte Sacra da Boa Morte, localizado próximo a praça Central do Coreto. Este Museu, antiga igreja, hoje reúne obras de imagens religiosas entalhadas em madeira. A visita é rápida e tem custo de R$4,00.

Museu da Arte Sacra da Boa Morte – Goiás / GO

Subindo a rua pela lateral direta ao Museu da Arte Sacra, chega-se a Praça do Chafariz, onde está localizado o antigo Quartel, e também o Museu das Bandeiras, minha próxima parada.

Vista do interior do Museu das Bandeiras. Note a espessura da parede.
Goiás / GO

O Museu das Bandeiras era, antigamente, a cadeia de Goiás. Com construção imponente, a visita relata as barbáries que ali eram afligidas aos carcerários, que viviam em condições de higiene precários e sob condições desumanas. Impressiona a espessura das paredes, característico das construções à época.

Estas foram as visitas que fiz neste dia. Se você estiver passeando por Goiás, recomendaria todas elas, cada uma é interessante à sua maneira, com destaque para o Museu Casa de Cora.

Agora, dentre todas as visitas e descobertas do dia, o destaque não vai para nenhum dos Museus, e sim ao Restaurante da Angela, uma verdadeira jóia que encontrei em uma das ruelas pelo Centro Histórico (vá até a agência do Banco do Brasil e na esquina verá uma placa indicando o caminho). Lá é servida uma comida caseira típica goiana e come-se a vontade por apenas R$10,00. Almocei na Ângela os 7 dias seguintes que permaneci em Goiás, com exceção do sábado, que o restaurante não abriu pois Dona Ângela pegou um resfriado (do qual recuperou-se e passa bem, a quem queira saber). Não recomendaria outro lugar para as refeições em Goiás que não o Restaurante da Ângela!

Mas o melhor de Goiás e o motivo da minha visita ainda estava por vir, as procissões! No próximo post!

Até mais,

Leandro